CURSO DE GRAFOTÉCNICA E DOCUMENTOSCOPIA EM VOTUPORANGA

Em 30.09.2017, a Associação dos Registradores de Pessoas Naturais do Estado de São Paulo (Arpen-SP), promoveu o Curso de Grafotécnica e Documentoscopia na cidade de Votuporanga, interior de São Paulo.
 
 
75

Participantes


Quantidade de participantes do curso
O curso foi ministrado pela perita em Grafotecnia e Documentoscopia, pelo Conselho Nacional de Peritos Judiciais da República Federativa do Brasil (CONPEJ) e com mais de 10 anos de experiência no ramo - professora Mara Cristina Tramujas Calabrez Ramos e contou com a participação de mais de 70 pessoas, entre elas, oficiais, tabeliães e funcionários de diversos Cartórios do Estado. O diretor regional da Arpen-SP em Votuporanga, Ricardo Moraes Silva, explicou sobre a importância em oferecer um curso como esse. “O curso foi de extremo proveito de todos, sejam oficiais, escreventes ou auxiliares. Foram abordadas questões atuais de fraudes em Cartórios, bem como técnicas com o intuito de minimizá-las. Enfim, trata-se de um curso extremamente dinâmico, atual e de interesse de todas as partes envolvidas nas unidades extrajudiciais”, conclui.
O oficial interino do Cartório de Registro Civil das Pessoas Naturais e Tabelionato de Notas de Pontes Gestal/SP, Alfredo Queiroz de Oliveira, participou do curso e conta como foi positivo para ele e seus colaboradores. “Esse curso tem uma importância salutar para que possamos ligar o nosso sinal de alerta. Como a especialista destacou, muitas vezes estamos propensos às fraudes pela nossa inocência de confiar nas pessoas, mas temos que compreender a responsabilidade que temos ao autenticar um documento fraudado. Então é importante esse preparo para que possamos prevenir essas fraudes”, explica.
Durante o curso, a especialista Mara Cristina, explicou de forma teórica e prática, quais são as técnicas recentes e que mais ocorrem na falsificação de documentos. Com o auxílio de lupas, lixas, tesouras, cheques, documentos de identidade, canetas, luz negra e diversos outros materiais, os participantes colocaram a mão na massa para entender na prática como é possível fazer e identificar fraudes. Segundo a perita, os Cartórios precisam estar preparados, pois na maioria das vezes, o falsificador já reparou em todo o funcionamento daquela serventia. “Muitas vezes, eles já vão sabendo como funciona o atendimento naquela determinada unidade, ou seja, já identificaram, inclusive, quais são as falhas que ocorrem no balcão no dia a dia. Sendo assim, uma das melhores técnicas de atendimento, é prender a pessoa pelo olhar enquanto você analisa o documento que lhe foi entregue, com seu tato”, completa. Mara conta ainda o que procura proporcionar durante suas palestras. “Com a atualização constante das técnicas de falsificação, a maior preocupação hoje em dia é de que os Cartórios acabem transformando documentos fraudados em documentos legais. Sendo assim, o objetivo do curso é manter os colaboradores e oficiais atualizados sobre as técnicas de identificação de fraudes em documentos e assinaturas. A troca de experiências que acontecem durante o curso, enriquece o conhecimento de todos“, conclui.
Fonte: Assessoria de Comunicação